Ingrid Klãmberg

Diálogo com uma conselheira sexual Adventista na Suecia

Ingrid Klamberg é dirctora do Centro de Aconselhamento para Jovens na cidade de Boras, Suécia. Ela supervisiona uma equipe de sete profissionais que prestam auxílio a jovens de ambos os sexos que vêm ao centro em busca de ajuda em questões familiares e de origem sexual. Ela também dá cursos de educação sexual na escola local e consultas particulares de aconselhamento para jovens. O Centro para Jovens, em Boras, é um dos 150 centros de aconselhamento que o governo da Suécia administra em vários lugares do país para jovens entre 13 e 25 anos de idade.

A Sra. Klamberg terminou seu curso de enfermagem em 1976, recebeu seu certificado de parteira em 1980 e, em 1993, formou-se em sexologia na Universidade Gothenburg.

Ela e seu esposo participam ativamente na Igreja Adventista do Sétimo Dia. Há vários anos ela é tesoureira da sua igreja em Boras, onde ela também dá estudos bíblicos aos jovens. Seu esposo, Johnny, é ancião da igreja. A Sra. Klamberg colabora como membro da Mesa da União Sueca e da Mesa da Divisão Trans-Européia, com sede em St. Albans, Inglaterra.

Sendo conselheira e especialista em vida familiar, a Sra. Klamberg frequentemente faz palestras em escolas, conferências e seminários.

Como a senhora se tomou adventista?

Minha mãe era adventista, e suas palavras e exemplo me incentivaram a entregar minha vida a Cristo e unir-me à igreja. Tomei essa decisão aos 18 anos. Johnny, a quem havia conhecido aos 17 e que mais tarde tornou-se meu esposo, também contribuiu positivamente na minha decisão. Apesar de que ele nunca havia ouvido falar dos adventistas antes de nos conhecermos, juntos estudamos e decidimos ser membros da igreja.

Poderia descrever-nos uma semana típica de sua vida profissional?

Cada semana trabalho 30 horas em aconselhamento no Centro para Jovens e seis horas ensinando educação sexual na escola local. No ano passado, mais de 5.000 jovens visitaram nosso centro. Recebo de 15 a 20 jovens cada dia. Eles buscam meu conselho e a orientação de meus colegas sobre temas como o uso de anticoncepcionais e testes ou tratamentos para doenças transmitidas sexualmente.

Casais jovens desejam conversar sobre sua relação e uma possível gravidez. Alguns vacilam entre recorrer ao aborto ou manter o bebé. Uma vez por semana, tenho consulta particular para jovens de mais de 25 anos.

Quais são os desafios que enfrenta no seu trabalho?

Muitos jovens que vêm ao nosso centro pertencem a lares destruídos ou a famílias de um só pai ou mãe. Contendem com sua própria identidade ao mesmo tempo que têm experiências sexuais. Sofrem rejeição, ira, amargura emocional e solidão. Eles fazem todo tipo de perguntas: "Sou normal?", "Por que meus pais estão se divorciando?", "O que posso fazer com a minha vida?" Os casos mais difíceis são de moças violentadas e vítimas de incesto. É difícil ser jovem hoje em dia!

Às vezes, fico muito preocupada e triste porque os jovens não cuidam de si mesmos e se metem em problemas. Carecem de princípios firmes. Alguns parecem pensar: "Isso nunca vai acontecer comigo!" ou "Nunca vou pegar essa doença ou ter uma gravidez indesejada." Também fico assustada com o número de adolescentes de pouca idade que padecem doenças transmitidas sexualmente.

Como a senhora encara pessoalmente esses casos tão tristes?

Quando fecho a porta do centro pela tarde, não consigo deixar o sofrimento e os problemas ali. Eles continuam dando voltas em minha mente. Às vezes, até sonho com alguns dos jovens pêlos quais me interesso tanto. Felizmente, tenho uma família maravilhosa e compreensiva que me brinda afeto e apoio. Também procuro viver perto de Deus e conversar com Ele através da oração. Todos precisamos de alguém que queira escutar-nos quando estamos tristes, irados ou confusos. Tenho um encontro com um psicólogo uma vez por mês para conversar sobre alguns dos casos difíceis com os quais entro em contato no centro.

O que lhe dá satisfação em seu trabalho?

Poder ajudar um jovem a dirigir sua própria vida e reconstruí-la sobre um fundamento moral sólido, apesar de decepções e erros. É animador ver a cura e uma mudança para melhor!

Suas convicções religiosas afeiam sua vida profissional?

Todas as pessoas da região sabem que sou adventista. De fato, frecuentemente moças que vêm ao centro pedem para falar com a "parteira cristã". Por causa do meu trabalho no centro como conselheira no campo da sexualidade, sinto mais necessidade da orientação e sabedoria de Deus em minha vida. Ele me ajuda cada dia a guiar e animar os jovens que vêm a mim com perguntas e problemas.

Sendo cristã, como a senhora vê a dimensão sexual de nossas vidas?

O sexo é um dom de Deus, com o qual devemos tomar muito cuidado. Numa relação de amor, o sexo é uma fonte de gozo que promove uma união espiritual profunda entre esposo e esposa.

Geralmente, que perguntas lhe fazem os jovens cristãos?

Por que os cristãos relacionam sexo com pecado? Por que é errado ter relações sexuais antes do casamento? Se dois jovens realmente se amam e vão se casar, por que deveriam abster-se de relações sexuais? Mesmo que a promiscuidade seja condenada na Bíblia, por que os cristãos a consideram um dos pecados mais graves?

Que conselhos a senhora daria aos nossos leitores, muitos deles homens e mulheres ainda solteiros, sobre suas relações pessoais ?

Formem suas próprias convicções baseando-se na Bíblia, e conservem seus princípios. Não se deixem pressionar pêlos outros. Em suas relações pessoais, tratem-se com respeito, como criaturas de Deus. Não entrem numa relação íntima da qual se arrependerão mais tarde. Lembrem-se de que cada ação no plano sexual lhes afetará pelo resto da vida. Se cometem algum erro, peçam a Deus perdão e força para mudarem de comportamento.

Ter relação sexual é como dar uma parte de você a alguém. Seja muito cuidadoso com esse presente, pois uma vez dado, não se pode tomar de volta. Temos lápis e papel na sala de espera do nosso centro para aqueles que desejam escrever alguma coisa como preparação para sua visita. Recentemente, uma jovem escreveu: "A vida está vazia sem você. Sinto que parte de mim ainda está com você. Por favor, ajude-me a trazer de volta essa parte de mim para que possa estar completa novamente!"

Os homens e as mulheres jovens lidam com o sexo de maneira diferente?

Raramente encontrei um jovem do sexo masculino que fosse solteiro e que se arrependesse de sua primeira relação sexual, mas a maioria das solteiras se arrependem. Lembro-me de uma jovem cristã que estava apaixonada e achava que o amor entre eles duraria para sempre. Ela confiava tanto no seu namorado que eles se tornaram íntimos sexualmente. Então, de repente, o namoro terminou. Ela ficou arrasada. Agora, em vez de recordar uma relação amorosa em crescimento, ela só via rejeição e dor.

Por favor, conte-nos sobre sua família.

Meu marido é um homem de negócios e temos dois filhos ao redor dos vinte anos. Patrik, nosso filho, está casado. Ele e sua esposa nos deram recentemente nossa primeira neta. Que alegria! Nossa filha, Cecília, é enfermeira, gosta de viajar pelo mundo e possui um dom especial para os idiomas. Deus me abençoou com uma família maravilhosa.

Como a senhora combina seu trabalho profissional com suas outras responsabilidades ?

Descobri que ao você dar a Deus o melhor do seu tempo — em estudo, oração e serviço — Ele lhe concede tempo e energia suficientes para levar a cabo seus outros objetivos na vida.

Qual é a situação da Igreja Adventista na Suécia?

Somos 3.300 adventistas num país que possui aproximadamente oito milhões de pessoas. Possuímos dois centros de saúde e uma escola de segundo grau com internato, Ekebyholmsskolan, onde leciono regularmente. Hoje em dia, o número de membros na Suécia não está crescendo como gostaríamos.

Nossa igreja em Boras é muito dinâmica, com muitos jovens e famílias jovens também. Damos atenção especial às aüvidades para jovens. Alguns deles são alunos na Universidade Gothenburg. Sabemos por experiência que se dedicamos tempo a nossas crianças e jovens, fazendo que participem na vida da igreja, a maioria deles aceitará a fé e permanecerá comprometida com a mensagem e com a missão que tanto amamos.

Entrevista concedida a Ronald Strasdowsky. Ronald Strasdowsky (doutor em filosofia, Universidade de Freiburg) é diretor de Educação e representante de Diálogo para a Divisão Euro-Afrícana, em Berna, Suíça.

O endereço da Sra. Ingrid Klamberg é:

Kvamberga PI 5508; 505 94 Borós; Suécia.