Verdadeira Independência

Independência! Quão doce o som! Cada um dos 236 países registrados pelas Nações Unidas preza o conceito de independência nacional, mesmo quando autonomia local é o único alvo prático em algumas das nações menores. Através dos séculos milhões sacrificaram suas vidas para assegurar governo autónomo para suas terras. Quase toda cidade na América Latina tem uma rua chamada Independência ou leva o nome da data quando o país ganhou sua independência. Praticamente todo país tem uma cidade ou estado que recebeu o nome de seu herói da independência.

Liberdade é uma das cinco necessidades psicológicas básicas dos seres humanos, juntamente com amor e três espécies da aprovação de outros. Especialmente nos anos da adolescência é importante desenvolver uma identidade à parte. Mesmo igrejas procuram estabelecer sua identidade conseguindo independência de um corpo religioso maior. Fiz parte de comissões nas quais congregações, associações e até uniões de adventistas do sétimo dia têm debatido a necessidade de independência, pelo menos em certos assuntos, a partir da sede mundial da igreja e suas praxes.

O mundo académico valoriza a independência quando dá exames baseados no sistema de honra, com o professor ausente da sala. Enfatiza independência intelectual quando teses e dissertações são examinadas para plagiarismos, conscientes ou inconscientes. Contudo, valoriza dependência quando os pesquisadores são encorajados a prover notas e bibliografias reconhecendo outras fontes de informação, remontando a gerações passadas.

Para o cristão, esta dependência vai além da história. "Podemos delinear a série dos ensinadores do mundo, no passado, até ao ponto a que atingem os registos da História; a luz, porém, existiu antes deles. Assim como a Lua e as estrelas do nosso sistema planetário resplandecem pela luz refletida do Sol, assim também os grandes pensadores do mundo, tanto quanto são verdadeiros os seus ensinos, refletem os raios do Sol da Justiça. Cada raio de pensamento, cada lampejo do intelecto, procede da Luz do mundo."1

Nosso único segredo de sobrevivência num mundo hostil jaz em exercermos nossa liberdade de escolher a fonte de poder genuíno. A vida cristã é uma dependência constante de um Poder fora de nós mesmos. Paradoxicamente, este é o segredo de independência, de estar livre do controle do mundo ao redor de nós. Paulo fala disto em termos de renovação: "E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação de vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus" (Romanos 12:2).

Jesus ilustrou o tema da independência-dependência na parábola da vinha. "'Eu sou a Videira verdadeira', disse Ele. Em vez de escolher a graciosa palmeira, o altaneiro cedro ou o vigoroso carvalho, Jesus toma a videira com suas trepadoras gavinhas para representar-Se a Si mesmo. A palmeira, o cedro e o carvalho mantêm-se de pé por si mesmos. Não exigem apoio. Mas a videira se entrelaça na grade e assim cresce em direção do céu. Assim Cristo, em Sua humanidade, dependia do poder divino."2

Eis a mais importante relação de dependência: "Não há limite à utilidade de uma pessoa que, pondo de parte o próprio eu, oferece margem à operação do Espírito Santo na alma, e vive uma vida de inteira consagração a Deus."3 "Se todos estivessem dispostos, todos seriam cheios do Espírito. Onde quer que a necessidade do Espírito Santo seja um assunto de que pouco se pense, ali se verá sequidão espiritual, escuridão espiritual e espirituais declínio e morte. Quando quer que assuntos de menor importância ocupem a atenção, o divino poder, preciso para o crescimento e prosperidade da igreja, e que haveria de trazer após si todas as demais bênçãos, está faltando, ainda que oferecido em infinita plenitude."4

De João Batista nos é dito: "Podia ficar ereto e destemido em presença de monarcas terrestres, porque se prostrara diante do Rei dos reis."5 Sua independência ousada derivava de sua dependência da graça e do poder de Deus. Verdadeira liberdade curva-se em submissão Àquele que é o Autor da vida e da liberdade autêntica.

Charles Taylor (Ph.D., University of Maryland), ex-diretor do Departamento de Educação da Associação Geral, trabalha como estatista da Missão Global Adventista. Seu endereço é: 12501 Oíd Columhia Pike; Silver Spring, MD 20904-6600; E.U.A.

Notas e referências

  1. Ellen G. White, Educação (Santo André, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 1977), págs. 13, 14.
  2. White, O Desejado de Todas as Nações (Tatuf, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 1990) págs. 674, 675.
  3. Idem, págs. 250,251.
  4. White, Os Atos dos Apóstolos (Santo André, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 1976), pág. 50.
  5. O Desejado de Todas as Nações, pág. 103.