Yoshinori Namihira: Diálogo com um engenheiro adventista envolvido em pesquisa em fibra óptica

Pode um engenheiro adventista sobreviver no mundo competitivo da tecnologia moderna e obter reconhecimento profissional? “Sim”, diz Dr.Yoshinori Namihira, gerente chefe de projetos e engenheiro de pesquisa da International Telephone and Telegram Company (Kokusai Denshin Denwa Research and Development Laboratories, or KDD R&D Labs), Tóquio, Japão.

O Dr. Namihira é filho da era após a Segunda Guerra Mundial. Nascido em Okinawa quatro anos depois que a guerra terminou, recebeu seu bacharelado em engenharia elétrica da Ryukyu University, Okinawa, e mestrado e doutorado em engenharia de comunicação da Tohoku University, Sendai, Japão. Em 1979, ele ligou-se com os Laboratórios KDD R&D. Desde então ele tem feito pesquisa em características de perda em transmissão, características de flutuação de polarização, dispersão ligada à polarização (PMD), métodos de medida de coeficiente não-linear em fibra óptica, e fibra óptica de cabos submarinos.

Profissionalmente, as realizações do Dr. Namihira têm sido impressionantes. Seu trabalho recebe reconhecimento tanto nacional como internacional. Em 1984, ele recebeu o prêmio de Cartas Eletrônicas do Instituto de Engenheiros Elétricos no Reino Unido por pesquisa feita sobre o efeito do hidrogênio sobre o aumento de perda em fibras ópticas. No ano seguinte recebeu o Prêmio do Presidente da Companhia pela KDD R&D por pesquisa feita sobre penetração de hidrogênio em fibras ópticas. Em 1990 e 1992 recebeu o Prêmio pelo Melhor Artigo na Conferência Internacional de Opto-Eletrônica no Japão por seu trabalho sobre medida PMD de fibras ópticas. Em 1994, em Atlanta, Georgia, lhe deram o Prêmio do Melhor Artigo no 42º Simpôsio Internacional de Fio e Cabo (JWCS ’93), por sua apresentação de redução PMD de cabos de fibras ópticas. O ano passado, a Conferência de Comunicações de Fibra Óptica, a maior conferência no mundo sobre fibra óptica, o elegeu como membro do Comitê de Programa Técnico.

O Dr. Namihira é presentemente membro do Instituto de Eletrônica, Engenheiros de Informação e Comunicação do Japão bem como do Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos dos Estados Unidos. Foi co-autor de sete livros técnicos que são amplamente usados por universitários, e possui 31 patentes técnicas.

Um horário de trabalho ocupadíssimo, contudo, não impediu ao Dr. Namihira de ter um papel importante em sua igreja adventista do sétimo dia. É um dos anciãos da igreja de Hashioji e líder de um grupo que planeja programas evangelísticos.

Yoshinori é casado com Michiko. São pais de Ai e Koyo, sua filha e seu filho, respectivamente.

Dr. Namihira, pode nos dizer como se tornou adventista do sétimo dia?

Há aproximadamente 30 anos meu irmão mais moço, Yoshinobu Namihira, que agora é médico e vive em Vicksburg, Mississipi, E.U.A. assistiu a uma série de reuniões evangelísticas em Okinawa, Japão, conduzida pelo professor Toshio Yamagata, um cientista adventista de 89 anos. Depois de meu irmão ser batizado, ele me convidou para freqüentar sua igreja um sábado num Dia de Visitantes. Lá encontrei-me com Warren Hilliard, um dos primeiros missionários norte-americanos para o Japão. Fiquei impressionado pela dedicação cristã do Irmão Hilliard. Isso me levou a conhecer mais da fé e estilo de vida adventista, e tomei estudos bíblicos com o falecido irmão Mitsuhiko Hayashi e com o Professor Toshio Yamagata em Sendai, Japão. Um novo mundo de fé se me abriu, e logo me uni à Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Você recebeu seus estudos em colégios e universidades não-adventistas. Encontrou algum problema por causa de sua fé, tal como a guarda do sábado?

Quando estudava para o meu Ph.D. na Tohoku University, minha primeira monografia técnica, “Efeitos de Stress Mecânico sobre Transmissão em Fibra Óptica”, foi escrito em japonês. Esta monografia devia ser avaliada pela Força Aérea americana. Eles queriam a fibra óptica para uso em seus aviões e pediram uma tradução inglesa de minha monografia. Meu professor, Dr. Masaaki Kudo, e eu estávamos trabalhando na tradução. Contudo, como era meu costume, fui à igreja no sábado. Embora meu professor soubesse que eu ia à igreja aos sábados, ele fez sua secretária me chamar na igreja para me dizer que eu tinha de voltar para continuar a tradução.

Isto constituia um dilema. Devia eu obedecer meu professor e quebrar o sábado ou correr o risco de perder sua boa vontade e talvez arriscar meu futuro na universidade e eventualmente minha carreira? Meu programa doutoral estava em jogo. Escolhi não quebrar o sábado e fiquei na igreja. Depois do culto, ao entrarmos em nosso carro, minha esposa e eu oramos a respeito e deixamos com o Senhor fazer a Sua vontade. Ao voltar para casa, meu hino favorito estava soando em meu coração: “Antes teria a Jesus”. Senti-me em paz. Tinha colocado o fardo sobre Jesus, e sabia que Ele daria uma solução. Minha decisão de obedecer Sua Palavra pareceu reforçada pelas palavras do hino. Cria fortemente que Deus providenciaria meu futuro mesmo que tivesse de deixar a universidade. Preferi reclamar a promessa de Gênesis 22:8: “Deus proverá”. Com efeito Deus proveu em meu caso. Meu professor compreendeu minha posição, e completei a escola superior e obtive meu Ph.D. com distinção.

Que problemas enfrenta trabalhando numa organização não-adventista, e como resolve estes problemas?

Lembro-me de um problema que enfrentei há 15 anos. Naquele tempo tínhamos um grande projeto em planejamento — testar a colocação de um cabo submarino óptico no Oceano Pacífico. O teste foi marcado para o sábado à tarde. Eu estava perplexo. Ao refletir sobre meu problema, lembrei-me da história que se acha em Marcos 4:39, onde Jesus é retratado como o Senhor com autoridade sobre os mares. Afinal, Ele é o Criador da terra e do mar. Voltei-me a Ele para auxílio, e orei ferventemente para o Senhor enviar um vento que perturbasse a água. O meteorólogo tinha predito mar tranqüilo — uma condição perfeita para o teste. Mas por volta da meia-noite, um forte vento agitou as ondas, e logo veio uma tempestade. O tempo não era favorável para nosso experimento, e o teste foi adiado. Meu problema do sábado foi resolvido, e encontrei-me na igreja, agradecendo a Deus pelas maravilhas que Ele realiza para nos ajudar a manter nossa fé. Partilhei minha experiência aquele dia com os membros da igreja. Deus nunca pede que façamos algo para o qual Ele não provê as forças.

Você trabalha num ambiente secular a maior parte de sua vida. Que oportunidades tem você de testemunhar a seus colegas sobre sua fé?

Há aproximadamente 150 pessoas trabalhando nos Laboratórios KDD R&D. Acontece que eu obtive o maior número de prêmios. Meus colegas ficam impressionados e muitas vezes perguntam qual é o segredo de meu êxito. Minha resposta é: “Eu recebo todas as idéias e inspiração freqüentando uma igreja cristã cada sábado”. Também, como alimento muito saudável: Sempre que vou a uma função da companhia, posso testemunhar a meus colegas abstendo-me de bebidas alcoólicas. Em vez, tomo chá de hervas ou suco de frutas. Minhas escolhas em coisas tão simples suscitam questões de meus colegas, e começamos a falar sobre minha fé. Para surpresa minha, alguns de meus colegas adotaram o estilo de vida adventista.

Lembro-me de outro exemplo. Em 1982 tínhamos descoberto que o problema do aumento de perda em fibras ópticas era devido ao hidrogênio. Para confirmar minha teoria, eu media os dados todos os dias exceto aos sábados. Apesar do fato que eu perdia os dados de um dia, meu artigo recebeu o prêmio da melhor monografia do Instituto de Engenheiros Elétricos do Reino Unido.

Em seu trabalho, como se arranja com ausência aos sábados?

O horário de trabalho nos Laboratórios KDD R&D é de uma semana de seis dias. Mas eu não trabalho no sábado. Contudo, me mantenho ocupado e trabalho arduamente de segunda à sexta-feira e meus colegas apreciam minha posição e contribuições. Sou um fun-

cionário consciencioso, e a companhia aprecia meu trabalho.

Que conselho pode dar a estudantes adventistas que estudam em instituições não-adventistas ou para adventistas que trabalham em organizações não-adventistas?

Meu conselho é simples. Sempre faça seu melhor. Que sua vida e trabalho testemunhem de sua fé. O conselho de Ellen White em Caminho a Cristo ainda é válido: “O apóstolo diz: `Irmãos, cada um fique diante de Deus no estado estado em que foi chamado’. (I Coríntios 7:24). O comerciante pode dirigir os seus negócios de modo a glorificar seu Senhor por sua fidelidade. Se é fiel seguidor de Cristo levará sua religião para tudo que faz, revelando aos homens o espírito de Cristo. O operário pode ser diligente e fiel representante dAquele que labutava em trabalhos humildes entre as montanhas da Galiléia. Todo que nomeia o nome de Cristo deve trabalhar de tal modo que outros, vendo suas boas obras, sejam levados a glorificar seu Criador e Redentor” (pág. 81).

Deus recompensará fieis estudantes e empregados não importa onde eles estudam ou trabalham. Sei que Ele cumpriu Suas promessas em minha própria vida.

Entrevista de Mary Wong. Mary Wong (Ph.D., Michigan State University) é diretora de ministérios de crianças e ministérios de mulheres para a Divisão Norte Ásiática do Pacífico dos Adventistas do Sétimo Dia, em Seoul, Coréia. E-mail: mhtwong@kornet.net Endereço Postal do Dr. Namihira: 2-1-15, Ohara, Kamifukuoka; Saitama 356-8502; Japão. E-mail: namihira@kddlabs.co.jp