Eis o que Jesus fez por mim!

1. "Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus, que embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-Se; mas esvaziou-Se a Si mesmo, vindo a ser servo, tornando-Se semelhante aos homens." (Filipenses 2:6, 7). Ele Se tornou semelhante a mim a fim de compartilhar minha vida e meu destino.

Eis o que Jesus fez por mim!

2. Jesus nasceu num estábulo, não num hotel cinco estrelas, nem na sala de parto de uma famosa clínica ou num quarto com uma enfermeira particular, obstetras contratados e apartamento privativo. Ele nasceu num estábulo para participar da vida dos sem-teto e abandonados, que não recebem assistência de ninguém.

Eis o que Jesus fez por mim!

3. Jesus nasceu de uma virgem, resultado de um milagre divino. Mas Seus inimigos O acusaram de bastardia, de ter nascido fora do casamento. Contudo, Ele tornou a missão de Sua vida compartir da vida de muitos filhos indesejados, ilegítimos, nascidos neste mundo. Ele participa da vida daqueles que são rejeitados, estigmatizados, condenados e desprezados ou que se desprezam a si próprios, porque não nasceram numa família "normal" ou vieram ao mundo sem o amparo de uma estrutura matrimonial.

Eis o que Jesus fez por mim!

4. Jesus veio à Terra sem quaisquer posses para compartilhar a vida dos muitos pobres deste planeta. Assim Ele revelou a todos os despojados que sua pobreza não é sinal de rejeição por Deus. Jesus tornou-Se um com os pobres e permaneceu pobre até o fim.

Eis o que Jesus fez por mim!

5. Jesus nasceu no lar de um carpinteiro. O trabalho duro de um operário era sua rotina diária. Desse modo Ele compartilhou a vida daqueles que se dedicam a trabalhos simples e práticos. Ele honrou aqueles que trabalham fielmente e tornou-Se um com eles, não importando quão humilde possa ser a ocupação.

Eis o que Jesus fez por mim!

6. Os primeiros a ouvir sobre o nascimento de Jesus não foram os dirigentes religiosos, os sacerdotes e profetas, os rabinos respeitados e considerados altamente espirituais, mas modestos pastores que cuidavam de rebanhos à noite. Pastores, homens pouco respeitados que não tinham participação nas atividades religiosas da comunidade. Quando os anjos lhes contaram sobre o nascimento de Jesus, eles temeram. Desse modo Jesus compartilhou a vida dos que são excluídos espirituais, aqueles de quem ninguém espera contribuições na área religiosa, que vivem à margem da sociedade realizando trabalhos aos quais ninguém dá atenção ou gostaria de exercer. Ele Se tornou um com os que passam despercebidos pela igreja e com os que inesperadamente se encontram com Deus e temem.

Eis o que Jesus fez por mim!

7. Quando Jesus era ainda bebê, Seus pais fugiram para o Egito com Ele. Jesus estava sob risco de ser morto. Assim, Ele compartilhou a vida de milhões de refugiados que fogem da violência, da guerra, da fome e da perseguição. Ele Se tornou um refugiado para os refugiados.

Eis o que Jesus fez por mim!

8. Jesus viveu como um estrangeiro e forasteiro no Egito. Assim Ele compartilhou a vida de todos os estrangeiros, imigrantes e asilados.

Eis o que Jesus fez por mim!

9. Após muitos anos, Jesus retornou a Nazaré, uma cidade de má reputação. Ele compartilhou a vida de todos os refugiados que retornam e pessoas reassentadas que mudam para uma terra desconhecida, tendo de começar do nada e sob condições desfavoráveis.

Eis o que Jesus fez por mim!

10. Quando chegou a ocasião, Jesus permitiu que João O batizasse no Rio Jordão a fim de cumprir a vontade de Seu Pai. Assim Ele Se tornou um com todos os pecadores e perdidos que estão dispostos a confessar seus pecados, mudar suas vidas e serem batizados para fazer a vontade do Pai.

Eis o que Jesus fez por mim!

11. Após isso, Jesus seguiu para o deserto onde foi tentado por Satanás. Ele fez frente a tentações satânicas. Conseguintemente, Ele compartilhou a vida dos que são provados pelas experiências que vivenciam e defrontam tentações satânicas. Jesus foi provado ao máximo. Ele conhece e compartilha as batalhas íntimas que enfrentam todos os que são tentados e testados.

Eis o que Jesus fez por mim!

12. Jesus foi rejeitado em Sua cidade natal, Nazaré, e levado à beira de um penhasco por uma multidão irada que queria precipitá-Lo de lá. Portanto, Ele compartilhou a vida dos que são rejeitados por amigos e familiares por causa de sua fé e crenças. Ele partilhou a sorte dos que são levados à beira da existência por suas circunstâncias.

Eis o que Jesus fez por mim!

13. Por Jesus curar nos dias de sábado, os líderes religiosos de Seu tempo desejavam matá-Lo. Em vista disso, Jesus compartilhou a vida de todos os que são perseguidos por dirigentes religiosos, por sua igreja ou seus representantes, por fazerem o que Deus lhes ordenou cumprir. Ele compartilhou a vida dos que enfrentavam rejeição, exclusão e perseguição por causa de sua fidelidade.

Eis o que Jesus fez por mim!

14. Jesus libertou pessoas do domínio demoníaco, expulsou espíritos malignos e curou indivíduos aprisionados por Satanás. Muitos insinuaram que Ele não fazia aquilo pelo poder de Deus, mas pelo de Satã. Em razão disso, Jesus compartilhou a vida dos acusados de estarem do lado do mal ou de obterem seu poder das fontes satânicas, ajudando Satanás a tentar os santos. Jesus compartilhou a sorte dos que são totalmente incompreendidos e rejeitados.

Eis o que Jesus fez por mim!

15. Jesus freqüentemente foi mal compreendido por Seus companheiros mais próximos. Vez após vez Ele teve de lhes dizer que não entendiam. Portanto, Jesus compartilhou a vida dos que são incompreendidos e mal interpretados -- os que oferecem o seu melhor, mas ainda não podem convencer outros e têm de suportar o peso da incompreensão.

Eis o que Jesus fez por mim!

16. Jesus foi traído e entregue aos inimigos por um beijo de um de Seus discípulos. Ele, então, compartilhou a vida dos impiedosamente traídos, vendidos por dinheiro, levados por outros e deixados à sua sorte com um sorriso por familiares, amigos, colegas de trabalho e pessoas nas quais confiavam.

Eis o que Jesus fez por mim!

17. Jesus foi preso sem jamais ter prejudicado alguém. Ele foi conduzido como um criminoso, escoltado com espadas e porretes. Logo, Jesus compartilhou a vida dos que são violentamente presos sob falsas acusações e postos na prisão, ou aqueles não se enquadram no sistema político, por pertencerem à religião "errada" ou confessarem a Cristo e fazerem o bem em Seu nome. São inocentes, mas tirados do caminho por causarem perturbação.

Eis o que Jesus fez por mim!

18. Jesus não foi apenas traído por um de Seus mais íntimos associados, mas também abandonado por todos e negado por pelo menos um de Seus seguidores. Dessa maneira, Jesus compartilhou a vida dos que são desamparados ou mesmo negados por amigos e conhecidos; filhos abandonados pelos pais, pais e mães deixados sós em idade avançada por seus filhos não lhes darem assistência; pessoas cujos conhecidos se envergonham deles e os deixam porque terminam em situações de profunda necessidade, doença e desamparo; e também aqueles cuja dignidade é desrespeitada.

Eis o que Jesus fez por mim!

19. Jesus foi ridicularizado por homens ímpios. Puseram-Lhe vendas nos olhos e nEle bateram, perguntando-Lhe quem O havia golpeado. Riram-se dEle e o abusaram; amarraram-nO e fizeram dEle objeto de zombaria. Em conseqüência, Jesus compartilhou a vida dos que são ridicularizados, atacados, presos e torturados sadisticamente por outros. Ele tem isso em comum, especialmente com os que são vítimas de abuso em nome da religião e de Deus.

Eis o que Jesus fez por mim!

20. Conquanto inocente, Jesus foi sentenciado à morte. Ele foi condenado à morte sem razão e submetido à mais cruel tortura conhecida na época: a morte lenta sobre a cruz, sofrendo dores excruciantes. Nesse sentido, Jesus compartilhou a vida dos que são inocentemente condenados à morte, torturados e penosamente mortos. Jesus compartilhou sua dor e morte injusta.

Eis o que Jesus fez por mim!

21. Enquanto pendia da cruz sob as mais lancinantes dores, Jesus orou: "Pai, perdoa-lhes!" Jesus compartilhou a vida dos que se recusam a endurecer seus corações com o ódio, o orgulho e a falta de espírito de perdão, a despeito da injustiça e crueldade. Jesus permaneceu veraz a Si mesmo e ainda que em face ao maior sofrimento, foi autêntico. Isso também Jesus compartilhou com os que permanecem fiéis às suas convicções, a despeito das circunstâncias mais negativas.

Eis o que Jesus fez por mim!

22. Jesus não permaneceu morto por muito tempo. Como havia predito, Ele ressuscitou dentre os mortos ao terceiro dia. Jesus ressuscitou, a tumba está vazia, a morte não pôde retê-Lo. Ele está vivo! E assim Jesus compartilhou a vida daqueles para quem a morte não é o fim da existência. Por confiarem em Deus e depositarem sua esperança no que Jesus realizou sobre a cruz, ressuscitarão como se deu com Ele; viverão para sempre porque Ele vive para sempre ao lado de Seu Pai. Eles O honrarão como Jesus honrou o Pai e O fez Senhor dos senhores. Todos honrarão o Pai por confessarem que Jesus é Senhor.

Eis o que Jesus fez por mim!

Ele tinha condição igual a de Deus, mas não pensou tanto sobre Si mesmo de modo a apegar-se às vantagens dessa condição, não importasse, em absoluto, o que haveria de vir.

Quando chegou o tempo, Ele pôs de parte os privilégios da Divindade e assumiu a condição de um escravo, tornando-se homem.

Tendo-Se tornado humano, permaneceu humano.

Foi um incrível processo de humilhação.

Ele não reivindicou privilégios especiais.

Em vez disso, viveu uma vida abnegada e obediente e depois padeceu morte altruísta e obediente, o pior tipo de morte de então: a crucifixão.

Por causa dessa obediência, Deus elevou-O e O honrou muito acima de qualquer um ou qualquer coisa que já houve, de modo que todos os seres criados no Céu e sobre a Terra, mesmos os que há muito morreram e estão sepultados, se inclinarão em adoração perante Jesus Cristo e proclamarão em louvor que Ele é o Mestre de todos, para a gloriosa honra de Deus, o Pai." (Filipenses 2:6-11. The Message).

Wolfgang Stammler é preceptor dos estudantes da Universidade Friedensau, Alemanha. O seu e-mail é: wolfgang.stammler@thh-friedensau.de