A Igreja Adventista hoje

Uma história que combina visão clara, dádivas generosas e crescimento constante.

Um dos reconhecidos fenômenos do mundo religioso do último meio século é o extraordinário crescimento global da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Tomando como base a América do Norte, verifica-se que 90% dos membros hoje residem em outros continentes, e o crescimento mais rápido ocorre na África, Ásia e América Latina. A Igreja começou o último meio século, em 1954, com 972.000 membros, e ao final de 2004 o total de membros adultos saltou para surpreendentes 13.936.932.

Em 1954, o Pastor William Henry Branson, então presidente da Igreja Adventista, notificou à 47a. Assembléia da Associação Geral reunida em São Francisco, Califórnia, que a denominação havia falhado em alcançar a meta de “dobrar o número de membros”, estabelecida na Assembléia anterior. Esse alvo foi proposto espontaneamente por Branson ao ser eleito em 1950 e, do ponto de vista estatístico, era uma possibilidade bastante improvável. Porém, ele disse à assembléia em 1954: “Temos sido ricamente abençoados por Deus ao tentar realizar essa tarefa grandiosa. Os campos de todo o mundo aceitaram o desafio, e em cada divisão nossos obreiros e membros leigos estão envidando seus melhores esforços para alcançar a meta.”

A taxa anual de crescimento nos anos sob a presidência de Branson (6,3%) não foi superada posteriormente, e permaneceu como recorde até o qüinqüênio 1985-1989, quando se elevou para 7,2%. Assim, apesar de seu senso de fracasso, Branson deu início com extraordinário sucesso ao progresso de nossa missão no último meio século. Temas tais como “Dobrar o Número de Membros”, “Reavivamento, Reforma, Evangelismo”, “Mil Dias de Colheita”, “Colheita 90” e “Missão Global” resumem a história dos 50 anos que começaram com uma média diária de 213 batismos, até ultrapassar a 2.900 batismos diários durante 2004. (A média diária de batismos de 1954 a 2004 aparece no Gráfico 1.)

Onde vivem nossos membros

O gráfico 2 nos dá conta do número atual de membros da Igreja, Divisão por Divisão. Percebemos facilmente que 35% de nossos membros vivem na América Latina e 33% na África, enquanto que cerca de 19% vivem na Ásia. A América do Norte e a Europa têm aproximadamente 9% dos membros da Igreja. Também percebemos pelo gráfico que seis das Divisões existentes ultrapassaram o montante de um milhão de membros, e dessas, três têm mais de dois milhões.

Durante os últimos cinco anos, a Divisão Norte-Americana alcançou a marca de um milhão de membros. A Divisão Sul-Asiática deve alcançar esse número no próximo qüinqüênio. As Divisões Centro-Leste Africana, Interamericana e Sul-Americana ultrapassaram o total de dois milhões de membros no último qüinqüênio, e a Divisão África Meridional-Oceano Índico deve fazer o mesmo até a próxima Assembléia da Associação Geral. No final de 2004, nossas três divisões com mais de dois milhões de adventistas tinham mais membros que a Igreja toda em 1991, há apenas 14 anos. Hoje não são apenas as divisões que estão atingindo um milhão de membros. Os países estão fazendo o mesmo. O Brasil ultrapassou um milhão de membros no último qüinqüênio, e a Índia, as Filipinas e os Estados Unidos devem fazer o mesmo nos próximos cinco anos.

Onde vivem nossos membros mais novos

“Sei onde você vive”, disse Jesus por meio de João, o revelador, à igreja de Pérgamo (Apocalipse 2:13, NVI). Jesus chamou atenção para o fato de os crentes de Pérgamo estarem enfrentando situações difíceis por causa da aceitação do evangelho. É assim ainda hoje. Jesus sabe onde vivem nossos crentes mais novos.

Por causa do compromisso daqueles que nos precederam, podemos hoje regozijar-nos pelos mais de cinco milhões de batismos durante o último qüinqüênio. Isso dá uma média diária de 2.765 batismos durante o período de cinco anos. A média diária de batismos em 2004 foi de 2.933, e 2.991 no primeiro trimestre de 2005, o que talvez indique uma forte tendência para o futuro. Um novo tipo de “clube de um milhão de membros” foi estabelecido neste qüinqüênio, quando uma Divisão, a Sul-Americana, celebrou mais de um milhão de novos membros que passaram a integrar sua lista.

O gráfico 3 relaciona os batismos por divisão no qüinqüênio e também em 2004, enquanto que o gráfico 4 indica as divisões onde vivem esses novos adventistas do sétimo dia. Numa escala de 100, podemos notar que 38 de nossos membros mais novos vivem na América Latina, e que 34 vivem nas Divisões africanas. Doze vivem na Divisão Sul-Asiática, seis na Pacífico Sul-Asiático, cerca de quatro na América do Norte, e os demais nas Divisões Euro-Africana, Euro-Asiática, Pacífico Norte-Asiático, Sul do Pacífico e Transeuropéia. A localização de nossos membros mais novos certamente enfatiza a natureza mundial do evangelho que proclamamos.

Proporção de membros em relação à população mundial

Os gráficos 5 e 6 ilustram a proporção dos membros adventistas do sétimo dia, em relação à população de cada uma das Divisões e países selecionados. Percebemos que a Divisão da África Meridional-Oceano Índico mantém a impressionante proporção de um adventista do sétimo dia para cada 79 habitantes, enquanto que a situação na Divisão Transeuropéia é muito mais desafiante: um membro para cada 5.922 habitantes. No final de 2004 havia no mundo um adventista do sétimo dia para cada 459 pessoas. Projeções sugerem que até 2014 poderá haver um adventista do sétimo dia para cada 300 pessoas em nosso planeta, e que a Igreja poderá ter aproximadamente 24 milhões de membros batizados.

Jamaica, Ruanda, Zâmbia, Papua-Nova Guiné e Haiti têm a maior proporção entre os países com mais de 100 mil membros adventistas. A maior relação é na Jamaica: um para cada 13, enquanto que em países como Etiópia, Nigéria, Indonésia, Índia e China a proporção é bem menor. Na China, por exemplo, a proporção de um para cada 4.027 habitantes sugere um desafio quase insuperável para a missão adventista do sétimo dia.

O qüinqüênio dos cinco milhões conquistados e 1,4 milhões perdidos

Embora mais de cinco milhões de novos crentes tenham se unido à nossa comunidade no último qüinqüênio, mais de 1,4 milhões deixaram a Igreja.

O principal desafio da Igreja mundial neste qüinqüênio é que para cada 100 batizados, mais de 35 decidem se afastar. Isso é muito mais que os 24 que deixaram a Igreja em relação aos 100 que aderiram nos qüinqüênios anteriores. Tal posição significa que nosso crescimento líquido (considerando-se também as mortes) foi de apenas 1.641 por dia, com uma média anual de crescimento de 4,9%, a mais baixa desde o período 1960-1964. As situações atenuadoras, porém, são relevantes.

Um subtítulo para este qüinqüênio poderia ser: “O qüinqüênio da auditoria dos membros da igreja.” Durante os últimos cinco anos, a maioria das Divisões mundiais realizou o difícil trabalho de auditoria dos membros da Igreja. O resultado do exame cuidadoso dos registros de membros da igreja local tem mostrado uma diminuição de mais de 800.000 no número de membros batizados durante os últimos cinco anos. Uma média de crescimento anual no qüinqüênio de 4,9%, a despeito das auditorias, sugere que Igreja Adventista deve ter um período de grande crescimento no futuro próximo, uma vez que os registros de membros estão mais atualizados.

Novas categorias em dízimos e ofertas

Na Assembléia da Associação Geral de 1958, em Cleveland, o secretário de estatísticas Henry Klaser ficou feliz porque os adventistas do sétimo dia haviam finalmente entrado na categoria do “bilhão de dólares”. Ao somar os dízimos, ofertas para as missões estrangeiras, ofertas da Escola Sabatina, doações, ofertas para as missões locais, ofertas para os programas “Fé para Hoje” e “Voz da Profecia”, mais as ofertas para os fundos e despesas da igreja local, no período de 1863 a 1957 (94 anos), ele relatou um total de $1.075.095.762 dólares. Compare com o último relatório do presente qüinqüênio. Somente a Divisão Norte-Americana ultrapassou o total dos 94 anos referidos por Klaser, ao receber, em 2004, dízimos e ofertas no valor de $1.192.300.000 dólares. Na verdade, durante o último qüinqüênio, o recebimento mundial de dízimos e ofertas chegou a $9.023.988.491 dólares. Isso significa que, na média diária desse qüinqüênio, os membros adventistas contribuíram com $4.941.267 dólares para que a mensagem do evangelho pudesse ser levada adiante. Na média diária do último qüinqüênio, nossos membros contribuíram com mais do que foi recebido pela Igreja nos seus 34 primeiros anos de existência (de 1863 a 1896).

Ao contemplarmos a herança de nossa missão no último meio século, o que surpreende não é somente o crescimento numérico e financeiro. Temos também avançado em outras áreas como construções de igrejas, ministério educacional e de saúde, melhoria de comunidades e trabalho assistencial e de desenvolvimento. Temos aberto novos canais de testemunho: várias formas de ministério televisivo começando por “Fé para Hoje”, evangelismo por meio de avião, Plano Evangelístico de Cinco Dias, evangelismo do “grupo do coração aberto”, projetos médico-missionários, orfanatos, prevenção contra AIDS e outros meios inovadores de aliviar o sofrimento do mundo, enquanto pregamos acerca do reino futuro em que nenhum mal existirá. E, ao planejarmos o futuro, reconhecemos que somos herdeiros das bênçãos que Deus derramou sobre nossos predecessores e continua hoje a verter para o avanço de Seu reino.

Bert Haloviak é o diretor do Escritório de Arquivos e Estatísticas da Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia em Silver Spring, Maryland, EUA.