EDITORIAL

Superando obstáculos

Neste ano, foram realizados os Jogos Olímpicos, em Londres. Os competidores sabem perfeitamente seus pontos fracos: descuido na hora de praticar alguns exercícios específicos que parecem desnecessários à primeira vista, técnicas impróprias de alongamento, falta de concentração, hábitos alimentares irregulares, desejo de fazer uma pausa desnecessária e assim por diante. Todos eles conhecem suas próprias fraquezas. Alguns lutam e as superam, outros simplesmente as disfarçam. De qualquer forma, cada um tem “obstáculos” pessoais.

Por falar nas barreiras que precisamos superar, interesso-me muito pelas corridas com obstáculos. O velocista precisa saltar sobre cada obstáculo com a máxima precisão, pois se apenas tocar em um deles seu desempenho estará comprometido. Por outro lado, saltar muito alto faz com que o atleta perca preciosos décimos de segundo e energia. Os competidores necessitam de controle absoluto e perfeito de diferentes músculos a fim de deixar para trás, uma após outra, as barreiras colocadas entre as linhas de partida e de chegada. É uma proeza que requer o uso adequado não só das pernas, mas também de cada parte do corpo, para que seja possível realizar com sucesso a façanha.

A vida estudantil é muito semelhante à corrida com obstáculos. Em minha própria vida, também enfrentei barreiras, mesmo após haver terminado minha formação acadêmica. Ao contrário das corridas, no entanto, os obstáculos de nossa vida não são do mesmo tamanho nem estão pintados em cores vivas, de modo a ser identificados a distância. Nossos empecilhos são aquelas coisas que, na corrida da vida, nos fazem tropeçar ou hesitar. Algumas pessoas preferem parar em sua trilha em vez de tentar saltar sobre seus obstáculos; elas ficam paralisadas como se eles fossem, na verdade, portas fechadas.

Na realidade, nunca devemos fechar uma porta diante de um obstáculo, pois ele põe à prova nossa resistência e nos desafia a encontrar maneiras de transpô-lo. Ao contrário da porta fechada, o obstáculo não representa algo impossível de ser transposto, ele não bloqueia totalmente a passagem. Um obstáculo é apenas um obstáculo. Ele ainda permite que haja espaço necessário para saltarmos além dele.

Na vida de um estudante, um obstáculo pode ser uma matéria difícil ou desinteressante, aulas ou uma prova no sábado, um professor cujas explicações são difíceis de entender ou cuja didática deixe muito a desejar. Ele também pode se referir a inesperados problemas familiares, à falta de interesse, a uma tolerância limitada às frustrações e, mesmo, a enfermidades fisiológicas relacionadas com a química do organismo. A lista é interminável, e cada aluno tem “um obstáculo feito sob medida”. O que para alguém é uma barreira aparentemente intransponível, para outro pode ser uma pequena lombada na estrada a ser superada facilmente. Independentemente dessa percepção, os obstáculos certamente estão ao longo da estrada para que todos os enfrentem.

De fato, é reconfortante lembrar que os obstáculos podem ser tranpostos. Apenas “as portas fechadas” podem bloquear o caminho para irmos adiante, e a vida tem muito mais obstáculos do que portas.

Ainda mais animador é sabermos que não estamos sozinhos para superarmos as dificuldades. Deus está ao nosso lado para nos fortalecer, nos habilitar, e nos ajudar a vencer e seguir em frente. A pergunta-chave na vida não é se um obstáculo ao longo do caminho será superado, mas se temos o poder de Deus, que nos permite sermos vencedores, saltadores de obstáculos. Se fizermos isso, podemos ter plena certeza de que Deus nunca nos abandonará quando enfrentarmos os obstáculos ao longo do caminho.

Nenhum estudante guarda apenas lembranças fáceis e agradáveis dos tempos em que ele transpôs os obstáculos para alcançar metas acadêmicas. O caminho foi sempre sinuoso, com altos e baixos, encostas íngremes e desgastantes, obstáculos pequenos e grandes. Assim como os atletas refletem sobre a melhor forma para superar obstáculos e combinar diferentes estratégias a fim de serem bem-sucedidos, também podemos refletir sobre as diversas ferramentas que podem nos ajudar a sermos bem-sucedidos em nossa própria carreira. A seguir estão alguns princípios para sua reflexão. Acrescente quaisquer outros que você ache que poderia se aplicar à sua situação particular.

Não confunda um obstáculo com uma porta. Quando você se deparar com um obstáculo, não desista até obter claros sinais de que Deus está lhe mostrando uma porta fechada, pelo fato de Ele ter escolhido um caminho diferente para você.

Identifique os obstáculos que você mesmo colocou em seu caminho. Sejam eles más atitudes, hábitos nocivos, fraquezas em seu caráter ou qualquer outra característica que depende exclusivamente de você, lembre-se de que, com a ajuda de Deus, você pode mudar para melhor e ser bem-sucedido.

Analise meios para superar o obstáculo. Não se contente com a primeira solução que vier à mente. Essa pode não ser a mais eficaz ou pertinente. Gaste tempo em oração pedindo a Deus que lhe conceda Sua sabedoria, então você será capaz de encontrar alternativas e escolher as que podem trazer melhores resultados (mesmo que elas exijam muito esforço e perseverança de sua parte).

Faça um plano de ação. Não é suficiente apenas pensar sobre a situação, você deve colocar a ideia em prática. Dependendo de quão “alto” ou quão “amplo” um obstáculo específico seja, você é capaz de transpô-lo em um instante ou você terá que enfrentá-lo várias vezes por semanas ou até meses. Só Deus pode fornecer-lhe a resistência e persistência que você precisa para fazer com que seu plano se torne uma realidade.

Agora, você notou quaisquer fatores comuns na lista apresentada? Posso ver dois elementos: você e Deus. Cada um dos princípios mencionados envolve você, por meio das habilidades que Deus lhe deu para analisar, elaborar planos e ir à luta. Mas o elemento mais importante nessa corrida é que você tenha Deus ao seu lado como seu “treinador”. Não há melhor maneira de superar os seus obstáculos.

Na corrida olímpica da vida, deixemos as palavras de Paulo serem a nossa resolução: “Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé” (2 Timóteo 4:7, NVI). Deixemos que nosso foco esteja na grande promessa: “Seja forte e corajoso! Não se apavore, nem desanime, pois o Senhor, o seu Deus, estará com você por onde você andar” (Josué 1:9, NVI).

— Susana Schulz

Susana Schulz é editora-assistente de Diálogo. Tem mestrado em aconselhamento e orientação, pela Universidade de Loma Linda, Califórnia.