Donna Galluzzo

Diálogo com uma executiva adventista do ramo de home care

Na caixa de correio, havia um cartão-

postal com um anúncio. Mark Finley, evangelista de renome mundial, estava chegando à cidade para realizar uma série evangelística sobre profecias bíblicas. Aquele cartão-postal e os eventos que se seguiram mudaram a vida de Donna Galluzzo. Ela havia nascido em uma família composta por sete filhos. Sua mãe era religiosa. Quando leu o anúncio, decidiu assistir às palestras de Finley.

A família ficou fascinada com o que a Bíblia tinha a dizer sobre o futuro. Depois de um ano de estudos, alguns dos membros da família, incluindo Donna, foram batizados. Donna tinha 16 anos e cursava o segundo ano do ensino médio.

Quando estava pronta para a faculdade, escolheu o Atlantic Union College, a faculdade adventista mais próxima de sua casa em Meriden, Connecticut. Mais tarde, ela pediu transferência para a Universidade de Loma Linda, na Califórnia, onde completou a graduação em Nutrição e Dietética. Enquanto trabalhava em um hospital, Donna fez o mestrado em Nutrição. Anos depois, iniciou o doutorado em Ciências Nutricionais na Universidade de Connecticut. Ela recebeu a primeira bolsa de PhD oferecida pela Novo Nordisk A/S, uma empresa farmacêutica europeia. Desde então, ela tem conduzido sua carreira profissional com base em valores e compromisso cristão. Sua trajetória lhe conferiu reconhecimento na área de negócios de home care, que consiste no atendimento médico domiciliar. Donna é casada e compartilha com o marido a alegria de sua trajetória, marcada por diversas situações, oportunidades inesperadas e desafios.

Uma decisão se revelou fundamental. Em vez de aceitar a oportunidade oferecida a ela após a formatura para lecionar, Donna escolheu entrar no mundo dos negócios temporariamente para que pudesse ter mais flexibilidade na sua agenda a fim de criar seus filhos. A oportunidade surgiu com uma empresa falida de home care. Ela não só recuperou a empresa, mas também a transformou em um empreendimento de sucesso em todo o estado. A empresa que antes tinha alguns funcionáros, conta, agora, com uma equipe com mais de 1.100 funcionários, e tornou-se um dos maiores sistemas de home care sem fins lucrativos dos Estados Unidos. Hoje, Donna é conhecida em todo o país como uma visionária dinâmica e uma executiva competente na área de assistência médica domiciliar.

Donna é casada com Gianfranco Galluzzo, um advogado. Eles têm três filhos jovens universitários que estão se preparando para sua trajetória profissional.

Como a educação adventista influenciou sua carreira?

Durante meus estudos na Universidade de Loma Linda (ULL), minha filosofia de vida, meu compromisso com Deus e minha escolha por uma carreira começaram a se consolidar. Escolhi viver minha vida a partir de dois princípios básicos: honrar o meu Senhor por meio de meu trabalho e viver em um estado de gratidão e apreço. Academicamente, o modo de vida adventista me levou a escolher Nutrição. À época, era uma profissão relativamente nova, e as pesquisas acadêmicas na área estavam no início. O ambiente universitário era desafiador e holístico, pois estava voltado para excelência acadêmica e também desafiava os alunos a buscar a adoração e culto, em ação de graças, com uma vida de gratidão. O adventismo na universidade desafiava os alunos a tomar decisões importantes sobre as principais áreas de sua vida dentro dos parâmetros do que Deus quer que façamos. Diferentemente da maioria dos centros de aprendizagem, a LLU, com seu núcleo centrado em Cristo, incentivou-me a refletir sobre esses ideais em minha fé, vida e trabalho.

Ao longo da jornada em Loma Linda, tive a sorte de ter professores que estavam interessados não só nos estudos, mas também em minha vida e fé. Entre eles, destaco duas professoras: Kathleen Zolber e Geórgia Hodgkin. Elas me ajudavam a desenvolver a visão de um futuro brilhante e coragem para prosseguir quando situações difíceis ameaçavam atrapalhar meu progresso. A LLU me ensinou muito mais do que Nutrição, minha profissão escolhida. Ensinou-me a usar minha carreira como uma ferramenta para criar um arco-íris na vida de outros, refletindo o amor de Deus, da mesma forma como um prisma produz um arco-íris na parede quando a luz incide sobre ele. Enquanto trabalhava na área de saúde, a chama adventista que recebi na LLU me deu a oportunidade de olhar para além de um mero assistencialismo em saúde física. Para mim, tratava-se de “ajudar o homem de modo integral: sua mente, corpo e espírito”.

Após concluir o mestrado, você obteve um doutorado estudando os lipídios (gorduras). Como essas pesquisas influenciaram sua carreira?

Foi-me oferecida a chance de participar do corpo docente de uma universidade. Em vez disso, escolhi entrar nos negócios temporariamente. Assim, poderia ter alguma flexibilidade em minha agenda para criar meus filhos. A oportunidade surgiu com a compra de uma empresa falida na área de home care. Foi uma decisão que mudou a minha carreira profissional, pois me tornei uma executiva. No começo eu me encontrava em terreno desconhecido, mas a perspectiva de palmilhar um novo caminho me animou. Aceitei o desafio de administrar um negócio. Mais uma vez, os apoiadores provaram ser imprescindíveis. O principal deles foi meu marido, com seu incrível apoio. Também recebi apoio de colegas de negócio de uma organização chamada Young Presidents Organization. Tornei-me uma esponja que absorve a novidade do mundo dos negócios. Estava determinada a aprender com as pessoas ao meu redor.

Curiosamente, Deus deu-me uma das minhas maiores lições por meio de uma atitude de meu filho mais novo. Para mim, os problemas são realmente nossas oportunidades. Um dia, quando estava no escritório, tudo que eu podia ver eram problemas. Parecia que todas as minhas reservas financeiras tinham ido embora. Não tinha a menor ideia sobre que caminho tomar. Eu estava desanimada. Havia 1.100 funcionários e milhares de pacientes, dependendo da empresa. Mas eu, a dona e diretora executiva da empresa, estava perplexa. Fui para casa para fazer o jantar e dei a meu filho um passatempo de labirinto, para mantê-lo ocupado por um bom tempo. Para meu espanto, ele completou-o em poucos minutos. Quando lhe perguntei como ele terminara tão rapidamente, ele virou o papel de cabeça para baixo e apontou para o fim, indicando que ele começara a partir daquele ponto. Foi um momento-chave para mim. Eu deveria ter clareza quanto aos meus objetivos e traçar uma rota de ação.

Ao longo dos anos, como você ampliou sua atuação e seus negócios?

À medida que as oportunidades de mercado surgiram, o meu trabalho se ramificou. A empresa deixou de ser uma agência de atendimento domiciliar para se ramificar em várias outras empresas, atuando nas seguintes áreas: empreendimentos conjuntos com vários hospitais; organização de cobrança terceirizada que administra milhões de reivindicações anualmente; gestão de empresa na área de cuidados de saúde que gerencia mais de dois milhões de vidas em todo o território norte-americano, Alasca e Havaí; consultoria que auxilia os prestadores de cuidados de saúde em suas necessidades estratégicas e operacionais, incluindo áreas como novas tecnologias, fusões, aquisições, aquiescências e programas educacionais inovativos para enfrentar as oportunidades de mercado. Além disso, participo de várias comissões de empresas sem e com fins lucrativos, dentro e fora da área de cuidados de saúde. Por meio do meu trabalho, tive o privilégio de viajar para localidades distantes e participar de reuniões com presidentes, rainhas, príncipes, famosos e influentes. O mais importante, entretanto, é que esse percurso profissional inesperado me deu a oportunidade de melhorar a vida dos que estão a meu redor, como doentes, pobres ou pessoas em necessidade.

Como líder, a que você atribui seu sucesso profissional e gerencial?

As posições de liderança surgiram em minha vida não porque eu era uma líder nata, mas porque havia uma necessidade. Mesmo inadequadamente preparada, aceitei a responsabilidade, confiando no poder de capacitação da graça de Deus, e fui adiante pela fé. Independentemente do resultado, aprendi a não ficar exultante com o sucesso nem abatida pelo fracasso. Em vez disso, uso esses resultados como uma lição para o desenvolvimento do caráter e para andar mais perto de meu Senhor. Com um inventário honesto dos meus pontos fortes e fracos, tenho sido capaz de contratar pessoas que me complementam para termos uma equipe. Dar às pessoas talentosas ferramentas com as quais realizem seu trabalho também foi uma estratégia importante. Fico sempre impressionada com o que um grupo de indivíduos comprometidos e determinados pode fazer se há uma missão e uma visão para o serviço, de modo que as pessoas exerçam sua fé por meio de suas carreiras. Criar uma equipe de alto desempenho, em que o todo é melhor do que as partes, é uma das minhas maiores alegrias profissionais.

Todos temos sonhos em relação a própria carreira. Quais eram os seus?

Independentemente do que acabei fazendo, minha visão sempre foi a de influenciar os outros de forma positiva, refletindo minha filosofia espiritual e fé. Como proprietária de uma empresa e, com esse foco, ajudo a estabelecer uma cultura corporativa e tenho sido capaz de integrar muitos valores e atividades, estratégica e taticamente. Assim, posso ajudar meus funcionários a se desenvolverem integralmente, incluindo a importante dimensão do crescimento espiritual e da consciência. Por exemplo, incentivo grupos de funcionários a se reunir para orar ou compartilhar um pensamento devocional. Pessoalmente, uma prática que tem superado todas as outras é a observância do sábado. Durante a maior parte da minha vida adulta, tenho trabalhado um mínimo de 60 horas semanais, mas o brilhante e inalterável compromisso durante todos esses anos tem sido lembrar o dia de sábado. É uma prática que tem sido fundamental para manter o equilíbrio e a cosmovisão ou, às vezes, recuperá-los. A guarda do sábado me permite honrar a Deus com o meu ser e minhas ações. Isso, de certa forma, é o núcleo do meu sonho.

Em sua vida, você tem feito muito: serviu a muitos presidentes dos EUA, incrementou mudanças no sistema de cuidado da saúde nos EUA, organizou as primeiras agências de assistência de saúde em casa, orfanatos e escolas construídas ao redor do mundo, participou nos conselhos de grandes empresas. O que o futuro lhe reserva?

Eu não sei o que o futuro reserva para mim, mas sei quem reserva o futuro. Esse é o princípio mais importante e fundamental da vida. Se alguém conhece o princípio “a Deus pertence o futuro” e está comprometido com ele, pode-

se viver sob o sol da esperança. Não há nada a temer, a não ser que nos esqueçamos do que Deus tem feito no passado. Enquanto não sei como Deus vai usar meu tempo, talentos e habilidades, sei que quero honrá-Lo em minha vida de uma maneira que traga bem-estar aos outros. Com isso, continuo a ser surpreendida com as pessoas e as oportunidades que surgem. Olho para a frente para ver o que Deus tem reservado para o futuro e o que Ele vai fazer para dirigir minha história.

Que conselho você daria para os jovens que ainda estão em processo de decisão sobre sua vida e carreira?

Três sugestões. Primeiro, certifique-

se de que Deus é o centro de sua vida. Uma vida entregue a Deus plenamente e sem reservas não pode falhar, só pode encontrar enorme fonte de poder. Segundo, estar perto dEle em oração e estudo de Sua palavra. Assim, você encontra força e sabedoria para viver. Terceiro, levar a mensagem do sábado à sério, não só como um dia de descanso espiritual e regeneração, mas também como o convite de Deus para participar na vida com criatividade, entusiasmo e humildade, incentivando os outros em sua esfera de influência a fazer o mesmo.

Georgia Hodgkin, Ed.D., RD, FADA, professora e presidente adjunta do departamento de Nutrição e Dietética, School of Allied Health Professions, Universidade de Loma Linda, Loma Linda, Califórnia, EUA. E-mail:ghodgkin@llu.edu

E-mail de Donna Galluzzo: dgalluzzo@hmsabc.com