Diálogo: 25 anos de ministério global

A história desta revista começa com um lançamento ambicioso, uma perspectiva internacional, e uma lista crescente de autores e leitores em meio a surpresas ao longo do caminho.

O 25º aniversário de uma revista oferece a ocasião perfeita para celebrar e relembrar. Em 1988, Diálogo Universitário nasceu em resposta a uma necessidade: milhares de brilhantes estudantes adventistas ao redor do mundo frequentavam instituições públicas de ensino superior e corriam o risco de perder a crença em Deus, abandonando os princípios bíblico-cristãos. Havia pouco para ajudá-los a sustentar a fé.

Tendo sido estudante na Argentina e nos Estados Unidos e me encontrado com muitos outros estudantes durante minhas viagens internacionais, eu conhecia bem os desafios. Nutrir e desafiar a mente dos universitários era essencial. Senti que deveria mantê-los engajados na missão adventista como alunos e depois como profissionais. A experiência como vice-presidente de desenvolvimento editorial da Pacific Press Publishing Association me deu o conhecimento necessário para planejar o lançamento de uma nova revista, mas o caminho não era fácil, e eu já estava comprometido com um trabalho significativo.

No entanto, com o apoio do departamento de Educação da Associação Geral e com o encorajamento de outros dois departamentos, decidimos seguir em frente, produzindo uma edição teste com um levantamento de potenciais leitores. A revista foi projetada para ser a primeira publicação da sede mundial da Igreja Adventista a ser publicada simultaneamente em quatro idiomas paralelos: inglês, francês, português e espanhol. A linha editorial estabeleceu objetivos essenciais para a revista: ajudar os estudantes universitários a (1) conhecer melhor sua fé, (2) viver sua fé de modo mais consistente, e (3) compartilhar sua fé de maneira mais eficaz. A página de conteúdo apresentava esta estrutura: Ensaios, Perfis, Logotipo, Vida no Campus, Relatório de Ação e Para Sua Informação.

O passo seguinte foi: Que nome dar à nova revista? Depois de fazermos uma lista, pedimos a participação do recém-

criado Comitê de Ministério para a Faculdade e Estudantes Universitários, de seus representantes regionais e de estudantes universitários. Gordon Madgwick, secretário-executivo da Comissão de Educação Superior da Divisão Norte-Americana, recomendou o nome definitivamente aprovado. “Se você deseja participar deste grupo especial de leitores internacionais”, observou ele, “Diálogo deve ser parte do nome da revista”. As páginas e a capa foram projetadas ainda sem o uso de computador. A Diálogo Universitário número 1, com 36 páginas, foi para o prelo em 1989, com uma tiragem otimista de 33.500 cópias – 18.500 em inglês, 8.500 em espanhol, 4.000 em português e 2.500 em francês.*

Logo começaram a chegar os formulários de pessoas interessadas na revista. Estávamos convencidos de que essa nova publicação tinha alimentado a fome intelectual e espiritual de dezenas de milhares de estudantes universitários. Depois disso, chegou uma torrente de cartas de leitores engajados, com carimbos de Botsuana, Canadá, Colômbia, França, República Dominicana, Papua-Nova Guiné, e muitos mais. Nossos leitores faziam perguntas, enviavam questões direcionadas aos autores e apresentavam observações e informações relevantes.

N. Axford, do Clark Community College, em Vancouver, Washington, nos Estados Unidos, agradeceu-nos por Diálogo, afirmando: “Há tão pouco publicado para nós! Estamos sendo esquecidos e, como resultado, estamos nos esquecendo da igreja. Nas próximas edições, por favor, inclua artigos escritos por alunos sobre como se envolver na vida da igreja, como levar Cristo à faculdade, e como mantê-Lo em primeiro lugar em nossa vida quando somos tentados por outros estilos de vida.” Em resposta, durante o segundo ano de publicação, nós adicionamos uma seção de cartas.

Outra seção, chamada “Intercâmbio”, tornou-se muito popular. Ela listava o nome, endereço e uma breve biografia de leitores interessados em se corresponder com outros estudantes adventistas e profissionais de todo o mundo. A crescente troca de cartões-postais, cartas e lembranças resultou em amizades e, em alguns casos, até mesmo em casamento. Recebemos notas apreciativas e também fotos de casais de Chile e Noruega, Cuba e México, e Norte e Sul do Brasil. Alguns deles com filhos! Posteriormente, Diálogo incluiu histórias em primeira pessoa, resenhas de livros e uma coluna de fórum aberto, completando um cardápio rico para um público em expansão.

A revista promoveu a criação de associações de estudantes adventistas em muitos países, fornecendo orientações e sugestões para as atividades, bem como promovendo nomeações de capelães. Essas associações realizavam círculos de oração, organizavam dias da Bíblia, doavam livros adventistas a bibliotecas e lançaram programas de alcance social. Em vários casos, as associações foram formalmente registradas, adquirindo representatividade frente aos dirigentes de campi públicos. No Quênia, por exemplo, os estudantes adventistas têm se reunido para animados cultos em várias universidades públicas. Em duas outras universidades públicas do continente africano, as autoridades doaram terreno no campus para a construção de uma igreja e um centro de serviços que fornece refeições gratuitas, cursos de como deixar de fumar, entre outras iniciativas. Como resultado, alunos e membros do corpo docente pararam de fumar e iniciaram uma dieta balanceada graças à atuação da associação estudantil.

Em outros países, no entanto, o desafio de aulas obrigatórias e estágios no sábado persistiram. Diálogo informou que, em um país asiático, as universidades públicas requeriam que os alunos que concluíssem medicina e odontologia comparecessem à formatura no sábado para receber seu diploma. Estudantes adventistas fiéis esperaram seis ou sete anos até que, com a resposta de Deus à oração, uma exceção foi feita de modo que eles puderam receber o diploma e começar a carreira.

Em um país da África Ocidental, o capelão adventista regional se reuniu com a mais alta autoridade nacional de educação para intervir em favor dos estudantes que estavam ficando para trás em seus estudos devido à necessidade de assistir às aulas e fazer os exames aos sábados. O capelão levou exemplares de Diálogo em inglês e francês para mostrar que as associações de estudantes adventistas locais faziam parte de uma sociedade internacional organizada. O ministro da Educação ficou tão impressionado com a revista que publicou uma carta oficial concedendo aos estudantes permissão para fazer exames em outros dias. No final da entrevista, o ministro também pediu uma assinatura de Diálogo.

Nesse meio tempo, a lista internacional de profissionais adventistas que sobreviveram aos desafios de uma educação universitária secular tem crescido, como evidenciado pelo perfil das entrevistas na revista e diversidade de autores. Com satisfação, nós também temos visto artigos de Diálogo ser citados em publicações e meios acadêmicos.

Quatro pessoas foram fundamentais para ajudar a revista chegar a esse patamar. Gerard Latchman habilmente fez a transição do design manual de Diálogo para a diagramação em computador. Beverly Rumble verificava a exatidão e clareza de expressão do texto em inglês. Julieta Rasi liderava o processo de tradução em três idiomas, auxiliada por uma equipe talentosa de contribuintes, e administrava sua impressão e distribuição internacional. John Fowler trouxe a edição de inglês a um nível profissional.

Agora que Diálogo chegou ao 25 º aniversário – precisamente a média de idade de nossos leitores –, agradecemos a Deus por Sua orientação no decorrer dos anos. As 72 edições de Diálogo, centenas de artigos e cerca de dois milhões de cópias em quatro línguas continuam a chegar aos leitores de todo o mundo, ajudando-

os a melhor conhecer, viver e partilhar a fé bíblico-cristã sob a bênção de Deus. Aqueles leitores que gostariam de ler alguns dos artigos publicados nas edições anteriores podem acessar o site da revista: http//:dialogue.adventist.org. Que Deus possa manter um vigoroso diálogo com os leitores conectados com Cristo até que Ele volte em glória!

Humberto M. Rasi (Ph.D. pela Universidade Stanford) é o fundador de Diálogo, atuou como editor-chefe da revista (1989-2007) e ex-diretor de Educação da Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia. E-mail: hmrasi@gmail.com

* Atualmente a versão impressa têm 11.350 exemplares em espanhol; 7.200 em inglês; 7.000 em português; 1.850 em francês. A revista completa é publicada no site http://dialogue-adventist.org nas quatro línguas. Em breve haverá uma versão disponível em italiano.

Durante 25 anos, o projeto gráfico de Diálogo passou por diversas mudanças.